Traduza/Translate

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Fernanda Lima é capa da revista Cláudia de Fevereiro!

Como o Fãs da Nana ja tinha antecipado. Fernanda Lima na capa da revista cláudia de Fevereiro! Vejam abaixo a matéria e a entrevista:

Na carreira, ela já mostrou a potência. Como mãe de gêmeos, exibe um jogo de cintura invejável. Acha que ficou menos egoísta, mais realista... e cada vez menos consumista. Este ano, já se prepara para um novo desafio na TV. Como ela dá conta? Este e outros segredos da guria que virou modelo por acaso numa conversa sem papas na língua.

Ela é extremamente econômica, nem um pouco consumista, não dá bola para tratamentos estéticos nem para os paparazzi, adora esportes e revela-se um ótimo garfo - é dessas que comem arroz, feijão, farofa e batata frita sem culpa. Fernanda Lima, 31 anos, a guria de Porto Alegre que virou modelo aos 14 por acaso, tornou-se apresentadora descolada e, em pouco tempo, protagonista de novela, se mantém fiel às origens. "Ainda sou bem moleca", diz. Mãe dos gêmeos João e Francisco, duas semanas depois de dar à luz, em abril do ano passado, de parto normal, já exibia os 54 quilos habituais. E virou garota-propaganda da campanha deflagrada pelo Ministério da Saúde sobre os benefícios desse tipo de parto. Coruja, não se furta a mostrar as fotos, armazenadas no celular, dos loiríssimos pimpolhos, prestes a completar 10 meses. "Eles são diferentes fisicamente e nas atitudes. O João é mais sapeca, com tendência a ser o líder. Mas isso pode se inverter mais tarde." Os filhos consolidaram a união com o ator e modelo Rodrigo Hilbert, com quem namora desde 2002, entre rupturas e reatamentos. Os dois vivem numa casa em Vargem Grande, zona oeste do Rio. Formada em jornalismo e contratada pela Rede Globo, apresenta quadros no FANTÁSTICO e os especiais POR TODA A MINHA VIDA . Este mês, dá partida a um novo programa de entretenimento da emissora. O que mais vem por aí? "Quero ficar o máximo de tempo com as crianças. Não tenho grandes pretensões agora." Já pensou se tivesse...

ENTREVISTA:

(Revista Cláudia) O primeiro filho costuma ser um marco. Imagine dois de uma vez! Em que a maternidade mudou você?

Fernanda Lima: Olhando agora, acho que eu era uma pessoa bastante egoísta. Com a chegada dos gêmeos, não tive mais chance de focar só em mim. De pensar: ?Não quero mais morar nesta cidade e tchau?. Continuo com os meus impulsos, mas agora tem o Rodrigo e crianças. Então, talvez eu tenha me organizado um pouco mais. Ando mais paciente, doando o meu tempo para eles. E descobri que sou uma mãe legal! Consigo dar conta de fazer dormir, de entender rapidamente o que é manha, dor ou fome. Não tem mistério. Não faço tempestade em copo de água. Sou uma mãe realista.

Os bebês exigem muitos cuidados. Qual é a sua fórmula?

Fernanda Lima: Mesmo que o Rodrigo não fosse o pai excelente que é, teria que ajudar. No mais, amigas, irmão, tio, primo, todo mundo que chega na minha casa eu boto para ajudar, porque precisa. A logística é a seguinte: tenho uma babá, que se reveza com outra nos finais de semana, e uma pessoa que cozinha e cuida da limpeza da casa. No momento, estou assumindo mais tarefas domésticas, como supermercado, porque o Rodrigo está gravando.

Como é um dia típico?

Fernanda Lima: Acordo entre 6 e meia e 7 horas e vou direto ficar com as crianças. Quando posso, lá pelas 10 horas, faço uma aula de vôlei ou de balé. Aí volto para eles: dou almoço às 11, depois banho e boto para dormir. À tarde, vejo meus e-mails e trabalho. Graças a Deus, a Globo facilita os meus horários. Mas, se estou em casa, faço toda a ?função? dos gêmeos. E, nos intervalos, dou uma saída para resolver uma coisinha. As crianças jantam às 18 horas, e às 19 coloco para dormir. É quando tenho tempo para jantar, ficar um pouco com o Rodrigo, ler alguma coisa. Mas lá pelas 10 e meia da noite já estou capotando.

Pouco tempo depois do parto, você já estava com um corpo invejável. O que faz para manter a forma?

Fernanda Lima: São coisinhas que pratico mais para me divertir do que por obrigação de perder peso, como, de vez em quando, cinco minutos de ioga para dar uma alongada. Nem me lembro quando fiz uma aula inteira pela última vez. Ganhei 20 quilos na gravidez, mas não saí devorando barra de chocolate: comia de hora em hora, muito consciente, com a certeza de que ia para os bebês.

Você é bem natureba?. Como é sua alimentação?

Fernanda Lima: Lá em casa entram todos os grãos, feijões, arroz integral, açúcar branco e o mascavo, macarrão; todas as frutas, verduras e legumes. Gosto de germinar os grãos e colocar no suco. Meus hábitos são bem vegetarianos.


Sente ciúme do Rodrigo? As fãs dão trabalho?

Fernanda Lima: Não, porque o Rodrigo é muito tranquilo nesse aspecto. Não fica querendo mostrar que é gostoso, chamando a atenção ou provocando; pelo contrário, ele é bem na dele. Óbvio que vejo as mulheres olhando, mas, dele, não tenho do que reclamar. As fãs não me incomodam, mas um dia vivemos uma situação patética durante um jantar. Na mesa da frente, quatro meninas tentavam disfarçar que estavam tirando fotos da gente com o celular. Pô, vem e pergunta: Posso bater uma foto?? Eu topo.

O início de sua carreira como modelo foi bem difícil. Você chegou a voltar de São Paulo para Porto Alegre em 1996 por não ganhar o suficiente para se manter. Hoje, vive com conforto. Qual o papel do dinheiro em sua vida?

Fernanda Lima: Sempre fui extremamente econômica. Sou até meio chata. Não gosto de desperdício de água, de gás. Tento puxar as contas para baixo, comparo preços. Nunca fui de entrar num shopping e sair gastando. Com a vinda dos bebês, isso se intensificou. A calça ficou pequena? Tesoura nela e vira bermuda. O body não entra? Tesoura no body, vira camiseta. As babás riem: ?Parecem crianças de beira de estrada?. Eu respondo que vão viver como eu vivi, e estou aqui, forte e saudável. Pretendo investir muito é nos estudos e nas viagens. Vou me virar para irem para a melhor escola, aprender quantas línguas quiserem. Mas a roupinha da hora não vão ganhar uma todo dia. Os limites vão ficar bem claros.

Você iniciou sua vida artística como modelo por acaso. Depois, tornou-se apresentadora e acabou virando atriz. Qual dessas atividades lhe dá mais prazer?

Fernanda Lima: Na verdade, minha experiência como atriz é muito pequena. Sei pouco desse ofício. Morro de vontade de pegar um trabalho de atriz novamente, experimentar teatro, cinema, até outra novela. O trabalho de apresentadora conheço melhor. Ao mesmo tempo, também me proponho a fazer coisas diferentes nessa área, como encarar um programa de auditório. Quando a Angélica saiu de licença-maternidade e me convidaram (para assumir o VIDEO GAME, quadro do VIDEOSHOW, em 2005), pensei: ?Ok, vamos lá, é uma oportunidade para eu aprender bastante?. Já o FANTÁSTICO é jornalismo, exige de mim outra postura, outra roupa, uma entonação diferente. Mas tudo que me proponho a fazer faço com tesão. Se acho que não é adequado, prefiro falar não.

Em sua segunda novela (BANG BANG, em 2005) na Rede Globo, você era protagonista e enfrentou críticas desfavoráveis. Como lida com a pressão?

Fernanda Lima: Essa pressão aumentou quando saí da MTV (em 2004) e fui para a Globo. Mas gosto de lá e das pessoas, respeito todo mundo e sou bem tratada. Aprendi que o importante é fazer um bom trabalho, com verdade, com o coração. Mesmo em BANG BANG eu sabia, lá no fundo, que estava atuando com a minha maior potência. Procuro ver o que posso melhorar em mim.

Você estava deslanchando na Globo quando engravidou. Teve medo de perder posições no mundo competitivo da TV?

Fernanda Lima: Normalmente, a gente teme não ser chamada para algo importante. Mas isso se torna tão pequeno diante da realidade de ser mãe... De uns anos para cá, fui dando um peso real a cada coisa. Houve um tempo em que a carreira era tudo na minha vida. Num determinado momento, virei esse jogo. O trabalho passou a ser consequência de uma vida legal.

Você já posou nua, apresentou a versão gay do programa FICA COMIGO, da MTV, e sempre se mostrou bastante franca ao falar sobre qualquer assunto. Já enfrentou problemas por isto?

Fenanda Lima: Normalmente, quando fico "cabreira" é porque imagino o que minha família vai pensar. Depois é que vem a preocupação com a imprensa ou com as outras pessoas. Mas isto está mudando. A gente fica mais velha e vai perdendo esse medo.

Fotos abertura, Nana Moraes; com Rodrigo, Luciana Prezia/Dedoc Abril; com os gêmeos, Philippe Lima/AgNews/Realização Noris Martinelli/Produção Sylvia Radovan/Cabelo e maquiagem Alê de Souza, Glloss/Vestido, Madame X; pulseira, Vania Nielsen para Conceito Showroom

Jefferson & Carlos


VEJA A ENTREVISTA DA REVISTA PIAUÍ CLICANDO AQUI!

1 Comentário:

Lucas disse...

Muito boa!
Adorei a entrevista!

Nosso orkut

Image Hosted by ImageShack.us

De onde nos visitam:

Contador de Visitas!

Contador Compulsivo

Este blog possui atualmente:
Comentários em Artigos!
Widget UsuárioCompulsivo

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO